quarta-feira, 8 de abril de 2009

Aluísio de Azevedo e sua obra: "O Cortiço"

A turma 3001 do Colégio Estadual Padre Franca, está, na aula de Literatura, lendo o Livro “O CORTIÇO” de autoria de Aluísio Azevedo, considerado o pioneiro do Naturalismo brasileiro, que começa a falar da realidade social e dos principais problemas e conflitos do ser humano.
Aluísio Azevedo nasceu em São Luís, no estado do Maranhão, em 14 de Abril de 1857, na sua juventude ja fazia caricaturas e poesias para jornais e revistas no Rio de Janeiro, seu primeiro romance publicado foi “Uma lágrima de Mulher”, em 1880. Faleceu no dia 21 de janeiro de 1913.
Considero o livro “O Cortiço”, uma das mais importantes e marcantes obras de sua vida, pois foi esta que marcou o início do Realismo (Naturalismo) no Brasil.
Este livro é um romance publicado no ano de 1890. Conta a história de um cortiço, onde podemos perceber a realidade das camadas mais populares do Brasil na época. Essa obra contém dois elementos importantes: o uso de zoomorfismo e a criação de um microcosmo. O Cortiço, propriamente dito é tido muitas vezes como personagem do livro como por exemplo podemos perceber na seguinte passagem: "Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.", no capítulo III do livro.
Os personagens principais são os moradores de um cortiço no Rio de Janeiro, precursor das favelas, onde moram os excluídos, os humildes, todos aqueles que não se misturavam com a burguesia, e todos eles possuindo os seus problemas e vícios, decorrentes do meio em que vivem, e um dono desse cortiço, o ambicioso e arrivista social (pessoa que faz de tudo para conseguir ascender socialmente, mesmo tendo que “passar por cima dos outros”.
O Cortiço também traz a verdadeira realidade das classes sociais da época, e também das pessoas que querem cada vez mais e mais dinheiro e poder, pensando em si só, ao mesmo tempo em que presenciam a miséria, ou mesmo a simplicidade de outros.

Tem como principais personagens:
* Jerônimo: rapaz trabalhador;
* Bertoleza: Escrava,sem escrúpulos;
* Rita Baiana: Sempre feliz,nunca despensa seus domingos de folga;
* Miranda: Rapaz mesquinha;
* João Romão: Rapaz ambicioso;
* Firmo: capoeira,folgado;
* Piedade: infiel;
* Pombinha: garota simples e sem caprichos;
* Botelho: velho fofoqueiro.

Minha opiniõe sobre o livro:
Eu gostei do livro, pois Aluísio Azevedo sabe retratar e relatar muito bem a realidade social do Rio de Janeiro na época, por um lado vemos a riqueza e por outro lado a pobreza, relata e demonstrada no Cortiço.
Podemos também falar que o livro contém umas passagens bem “calientes”.
Recomendo o livro a todos os amantes da boa e verdadeira literatura brasileira.

Postado por: Gustavo Vieira Frez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário